sexta-feira, 10 de junho de 2016

Alpha Notícias: Nissan March com câmbio CVT chega com preço a partir de R$54.090,00




Modelo ganha a opção da transmissão continuamente variável XTRONIC CVT nas versões 1.6 SV e 1.6 SL 

Texto: Sérgio Dias
Fotos: Divulgação

A Nissan trouxe para a linha March o que faltava: a opção de uma transmissão continuamente variável. Agora as versões 1.6 SV e a 1.6 SL podem ser equipadas com a XTRONIC CVT, reconhecida mundialmente e difundida em modelos da marca de segmentos superiores como Sentra e Altima e em crossovers vendidos em diversos mercados pelo mundo como Qashqai, Juke e Murano. 


Seus preços são R$54.090,00 para a 1.6 SV e R$58.390,00 para a 1.6 SL e colocam as versões numa fatia do mercado que tem clientes cada vez mais interessados nesse tipo de transmissão: 40% dos futuros compradores de carros compactos quer um automático e 95% dos atuais donos de um modelo sem pedal de embreagem afirmam que seu próximo veículo também terá este recurso. 


“A Nissan está firme em seu posicionamento ‘Quem se atreve vai além’. A cada lançamento trazemos produtos que oferecem mais que os concorrentes e sempre com a tecnologia japonesa. O Nissan March XTRONIC CVT é mais uma prova disso. Seremos os únicos do segmento a ter a transmissão continuamente variável, que é usada e aprovada por clientes de segmentos superiores”, afirma François Dossa, presidente da Nissan do Brasil.

A transmissão XTRONIC CVT é constituída de duas polias de diâmetro variável, ligadas por uma correia metálica, sendo que a Primária (conhecida como condutora) recebe o torque do motor e a Secundária (ou conduzida) o transmite ao diferencial. Cada polia tem dois cones que se afastam ou se aproximam, diminuindo ou aumentando a largura do canal onde passa a correia, elevando ou reduzindo a velocidade do carro de acordo com as demandas do pedal do acelerador. 



Quando os cones estão juntos, esse canal fica mais estreito e o raio da polia aumenta. Em marcha reduzida, a polia condutora apresenta um raio menor (cones afastados), enquanto a polia conduzida fica com raio maior. Na medida em que o carro acelera, o movimento das polias se inverte e a relação de marcha fica maior. A distância entre as polias é fixa, como também o comprimento da correia. Assim, o XTRONIC CVT apresenta uma infinidade de marchas entre as menores e maiores relações.

A caixa que equipa as versões do March é da última geração produzida pela Nissan para o segmento de veículos compactos e é adotada em vários países do mundo. Agora, ela faz sua estreia no mercado brasileiro. Produzida pela Jacto, empresa do grupo Nissan, o câmbio XTRONIC CVT dos compactos produzidos em Resende utiliza a mesma tecnologia que entrega muito conforto aos proprietários de Sentra e Altima, mas em um tamanho menor, adequado aos dois veículos. 

Uma das novidades dessa caixa de última geração é o sistema “Lock Up” com Active Slip Control. Com ele, o XTRONIC CVT obtém acelerações com respostas mais vigorosas e sem alternâncias, pois “segura” a polia e a solta de forma gradual para que o torque seja transmitido de forma linear e rápida. 



Com uma caixa compacta e avançada em mãos e conhecendo as necessidades de uso do consumidor brasileiro e os pavimentos e condições de rodagem do dia a dia, a engenharia da Nissan do Brasil trabalhou a calibração da transmissão do Nissan March de forma a atender às principais necessidades dos clientes: obter conforto, desempenho forte e economia. Assim, os carros equipados com o XTRONIC CVT entregam aceleração vigorosa e linear, especialmente nos momentos de arranque dos veículos, condução de sustos e trancos e, claro, com a economia de combustível (o Nissan March recebeu nota “A” no programa de eficiência energética do Inmetro).

A nova estrutura principal do XTRONIC CVT para veículos compactos da Nissan é baseada na mesma aplicada no segmento dos médios, com otimizações para os veículos compactos. O diâmetro da engrenagem expandido (4,0-4,8), medido pelo maior lado, que proporciona um raio de cobertura de 8,7 - o maior do segmento de compactos. Para se ter uma ideia do que isso representa, o New European Driving Cycle (NEDC), ciclo de consumo e emissões que regula os veículos na Europa e um dos mais rigorosos do mundo, exige um mínimo de 8.0 no “mundo real” de condução para que a transmissão. 

Com a adoção de uma nova correia com maior área de contato, houve melhora na capacidade de transmissão de torque por conta do novo formato, o que amplia a área de contato. Além disso, houve aumento na rigidez da polia. Isso assegura uma capacidade de torque estável mesmo nos estados transitórios de mudança de velocidades. E com menos pressão de contato, reduz-se a fricção interna em cerca de 5%. 



Outra melhoria nessa geração de transmissão continuamente variável para veículos compactos está na otimização da bomba de óleo. Foi abolida a válvula de controle de entrada do óleo e a geometria da área de sucção foi modificada. Assim, a engenharia obteve a redução do nível de atrito da peça em 30% em comparação com a anterior.

A Nissan também utiliza o método de partícula para visualização do fluído do XTRONIC CVT. Isso melhora a geometria da câmara e também do diferencial, para a drenagem do fluído e redução da resistência na câmara em 40%.

Um dos temas que podem deixar os clientes do Nissan March com o novo câmbio XTRONIC CVT preocupados é o custo da manutenção. Entretanto, dentro da sua política de ter os menores preços de revisões nos segmentos que seus modelos disputam, a Nissan do Brasil oferecerá revisões para as duas novas opções de sua linha com os mesmos valores do Nissan March equipados com transmissão manual.

Os proprietários desembolsarão R$ 2.344 para realizar todas as revisões até os 60 mil km, com intervalos de 10 mil km – é o menor total encontrado entre os modelos que disputam mercado com os dois compactos da Nissan.

Veja mais fotos




















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana

Coisa Velha

Jornal BLEH!