domingo, 6 de novembro de 2016

Alpha Serviços: Drogas e trânsito são uma combinação perigosa




Testes toxicológicos rápidos estão disponíveis no mercado para serem postos em prática 

Segundo os últimos dados do Ministério da Saúde, em 2014 foram registrados mais de 43 mil mortes nas estradas brasileiras e 201 mil feridos hospitalizados. No mesmo ano, perto de 596 mil vítimas receberam indenização do DPVAT por invalidez permanente causada por acidentes de trânsito, um aumento de 34% em relação ao ano anterior, isso de acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). 

Entre as principais causas para essas estatísticas está à condução sob influência de drogas lícitas, como álcool e medicamentos, e drogas ilícitas, como cocaína, maconha, anfetaminas, substâncias que atuam no cérebro e sistema nervoso central, prejudicando habilidades motoras, tempo de reação e julgamento dos condutores.

O Artigo 306 da Lei nº 9.503/97 considera como crime dirigir sobre efeito de drogas, expondo a riscos não só o condutor, mas também os passageiros e outras pessoas que circulam pelas vias públicas. No entanto, apenas em 28 países existem leis abrangentes de segurança no trânsito referentes a estes fatores de risco, o que representa apenas 7% da população mundial. Em um país em desenvolvimento como o Brasil, é necessário discutir os números alarmantes de mortes no trânsito e apontar possíveis soluções contra o consumo de drogas ao volante, sejam elas lícitas ou ilícitas.

Para colocar o tema em pauta, o País recebe em outubro, entre os dias 16 e 19, a 21ª Conferência do Conselho Internacional sobre Álcool, Drogas e Segurança no Trânsito. É a primeira vez que o evento é realizado na América Latina. 

Um dos expositores da feira é a Alere, multinacional especializada na tecnologia Point of Care. Popularmente conhecidas como testes rápidos, essas ferramentas permitem a testagem para doenças ou substâncias específicas de forma prática e ágil, oferecendo inclusive opções para testagem de drogas ilícitas para batidas policiais nas estradas brasileiras, o que ainda não acontece de forma abrangente.

“Hoje não podemos falar quantos acidentes de trânsito acontecem pela interação perigosa feita entre drogas ilícitas e a condução de veículos, mas estimativas apontam que em 40% dos casos o condutor está sob efeito substâncias psicoativas”, afirma Beatriz Pane, gerente da Alere.

O assunto já é debate na Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, da Câmara Federal, e seus membros estão comprometidos com a agilização do processo de regulamentação de testes toxicológicos rápidos na fiscalização. Exames rápidos por meio da coleta de saliva são o método mais indicado para verificação em ambiente durante blitzes, principalmente por aferirem se o a pessoa fez o consumo de drogas há poucas horas, assim como já acontece com o teste do bafômetro, sem ferir princípios constitucionais.

“Diferentemente do exame toxicológico exigido para motoristas das categorias C, D e E, o teste do ‘drogômetro’ é uma medida justa e eficiente, que atinge a todos igualmente e verifica as condições do motorista no momento em que está dirigindo. Além disso, o projeto como concebido não transfere para o cidadão a responsabilidade (e o custo) de retirar das ruas aqueles condutores sem condições de dirigir, isso porque foi construído para ser custeado sem a previsão de verbas específicas dos impostos recolhidos dos cidadãos”, defende Beatriz.

Dados mundiais

No mundo, 1 bilhão e 24 milhões de pessoas morrem no trânsito anualmente, representando mais de 3.400 mortes a cada dia e um custo global de acidentes girando em torno de 518 milhões de dólares/ano. Cerca de 92% dos acidentes de trânsito ocorrem em países em desenvolvimento, os quais representam apenas 48% da frota mundial de veículos.

Em torno de 20 a 50 milhões dos acidentados sobrevivem com traumatismos e os jovens e adultos com idade entre 15 e 44 anos representam 59% das mortes no trânsito.

Sobre a Alere

Com sede em Waltham, Estados Unidos, a Alere trabalha fornecendo testes diagnósticos rápidos e Point of Care (testes laboratoriais remotos). Essas informações confiáveis permitem melhores decisões clínicas, operacionais e econômicas para a saúde. A empresa tem como foco testes rápidos de doenças infecciosas, doenças cardiometabólicas e toxicologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana

Coisa Velha

Jornal BLEH!