segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Alpha Notícias: Volkswagen Virtus chega em três versões e preço a partir de R$59.990,00




Modelo é o primeiro no Brasil a usar inteligência artificial para ajudar motoristas

A Volkswagen apresentou o Virtus, sedã que será comercializado a partir de fevereiro em três versões: MSI com preço a partir de R$59.990,00, Comfortline 200 TSI com preço a partir de R$73.490,00 e Highline 200 TSI com preço a partir de R$79.990,00. A configuração MSI será equipada com o motor 1.6 de até 117 cavalos e câmbio manual de cinco marchas e as versões Comfortline e Highline contam com o conjunto mecânico do motor TSI de até 128 cavalos e transmissão automática de seis velocidades. 


O Volkswagen Virtus será o primeiro automóvel do Brasil a trazer recursos inéditos de conectividade e digitalização. O sedã vai oferecer o “manual cognitivo” – que usa IBM Watson para responder aos motoristas questões sobre o veículo, incluindo informações contidas no manual do carro. Essa solução permite uma nova forma de interagir com o veículo e oferece uma nova experiência tecnológica.

O Virtus traz linguagem visual exclusiva, desenvolvida com base em pesquisas com clientes e focada na regionalização dos produtos Volkswagen. 


O destaque da parte dianteira é o vinco que margeia a entrada de ar e corta o espaço entre o conjunto ótico principal e os faróis de neblina. Bem marcada, essa linha de caráter teve como referência o estilo do Volkswagen Arteon.

As grandes superfícies dos faróis de neblina e indicadores de direção chamam a atenção. Elas terminam em ângulos com contornos tridimensionais. Entre elas ficam duas entradas de ar: uma em forma de “V” no meio e uma segunda entrada estreita que se estende por toda a largura. O resultado é que o Virtus tem visualmente uma “boca” bem ampla graças ao contorno da grade inferior do para-choque.

Os faróis, a grade do radiador e o para-choque foram desenhados para realçar a largura do veículo, o que é evidenciado pelo longo capô com contornos bem pronunciados. Vincos marcantes no capô saem das colunas “A” e correm em forma de “V” para o lado interno dos faróis e da grade do radiador. Adicionalmente a essas linhas, outros dois elementos de estilo correm pelo meio do capô e terminam na grade do radiador. A barra transversal superior da grade é pintada na cor da carroceria e se une às linhas dos faróis. Isso dá ao capô uma aparência visual mais baixa. Ao mesmo tempo, reforça a largura do Virtus.

Os faróis de perfil baixo e dupla parábola dão ao carro uma aparência mais concentrada, voltada para a frente. A segunda barra da grade do radiador é cromada e começa nas laterais do logotipo Volkswagen, unindo as linhas cromadas dos faróis. A assinatura das luzes de condução diurna em LED – ao lado dos faróis de neblina – também é inconfundível.

O modelo adota a linha dupla em forma de flecha na lateral. A primeira passa pelas principais sessões laterais do modelo, do para-lama dianteiro, cruzando as portas e seguindo até a extremidade das lanternas traseiras. A segunda, mais abaixo, se desenvolve do grafismo 3D das lanternas traseiras e também se estende para a frente nos para-lamas dianteiros, onde sobe ligeiramente, encontrando a linha superior. Essa linha de caráter define o perfil lateral do sedã, formando uma forte seção de “ombros” e dando ao Virtus uma atitude rebaixada e esportiva.

Da coluna “B” (aquela entre as portas) para trás, o modelo traz traços ainda mais alongados e fluídos. Com 4,48 metros de comprimento, o Virtus é um dos maiores entre os seus concorrentes diretos. Como base de comparação, ele é 42,5 centímetros mais comprido do que o Novo Polo, também desenvolvido sobre a Estratégia Modular MQB. Isso muda completamente a perspectiva do veículo lateralmente. A começar pelo balanço traseiro.

A distância entre o centro da roda e o final do para-choque traseiro é de 1.027 mm (quase 50% maior do que a do Novo Polo). Não era para menos: são 521 litros de capacidade no porta-malas, um dos maiores da categoria.

O Virtus tem seus três volumes bem definidos: capô, lateral e traseira. Um sedã clássico, mas ele vai além. Como o teto tem uma caída rápida na coluna “C”, o Virtus traz caráter de cupê, principalmente pela forma que as linhas de teto se conectam com as do porta-malas, o que faz o vidro traseiro (vigia) ser bem inclinado, preservando o excelente espaço para a cabeça dos passageiros do banco traseiro.


O Volkswagen Virtus segue o padrão global de sedãs da marca, com lanternas duplas e identidade visual marcante. As grandes lanternas conectam os para-lamas com a tampa do porta-malas e têm um ângulo reverso, semelhante às do Jetta. Outro destaque é o defletor na região superior da tampa, colaborando com a aerodinâmica e evidenciando o visual esportivo. A placa fica bem ao centro da tampa do porta-malas, entre as lanternas, criando um layout harmonioso. O para-choque conta com um uma moldura na parte inferior, que atravessa toda a traseira. Dependendo da versão, esse elemento é cromado, tornando o conjunto ainda mais refinado.


Amplo interior e excelente aproveitamento de espaço

Referência no segmento, a distância entre-eixos no Virtus é de 2,65 metros (exatamente a mesma do Jetta atual), isto é: 8,6 cm a mais do que a do Novo Polo (que já tem uma das cabines mais amplas do seu segmento). Com isso, o Virtus estabelece uma nova referência em conforto e aproveitamento de espaço nas categorias que participa. Mais um benefício da flexibilidade da Estratégia Modular MQB. A altura do Virtus é de 1.468 milímetros (4 mm a mais do que a do Novo Polo) e a largura é a mesma: 1.751 mm.

O espaço efetivo para as pernas para os passageiros do banco traseiro é de impressionantes 910 milímetros (da base do encosto do assento traseiro até a parte de trás do encosto do banco dianteiro). São 1.390 mm de espaço para os ombros no assento traseiro. Dimensões suficientes para acomodar três adultos no banco de trás com conforto digno dos melhores sedãs médios. Soma-se a isso o acesso a bordo facilitado pelo amplo ângulo de abertura das portas traseiras, que são maiores, em relação às do Novo Polo.

A modularidade dos bancos é outro fator que colabora para a ergonomia e o ótimo aproveitamento de espaço na cabine do Virtus. Mais do que capacidade para acomodar cinco adultos, o sedã Volkswagen pode transportar grandes objetos. A área do porta-malas é de 1 m2, suficiente para guardar uma grande quantidade de malas.


Para transportar objetos maiores, basta rebater o assento traseiro que o Virtus oferece 1,82 metro de espaço (da tampa do porta-malas até a parte de trás do banco dianteiro). É possível ainda rebater totalmente para a frente o assento do passageiro dianteiro, o que proporciona um espaço livre de 2,65 metros (da tampa do porta-malas até o painel). Ou seja, é possível acomodar, por exemplo, um caiaque ou uma prancha de Stand Up dentro do Virtus e ainda uma pessoa se acomodar no banco traseiro.

Outro exemplo da funcionalidade da cabine do Virtus é o descanso de braço central (de série a partir da versão Comfortline), que é ajustável longitudinalmente em 100 mm. Sob ele há um compartimento de 1,26 litro de capacidade. O porta-luvas tem 8 litros de capacidade e possui refrigeração (versão Highline). Nas portas dianteiras há nichos que acomodam garrafas de 1,5 litro – as portas traseiras levam garrafas de 1 litro. Esses itens de conforto combinados são inéditos na categoria. 

O Virtus chega ao mercado brasileiro com garantia de fábrica de três anos (sem limite de quilometragem) e estará disponível em sete cores: Preto Ninja, Branco Cristal e Vermelho Tornado (sólidas) e Cinza Platinum, Azul Night, Prata Sirius e Prata Tungstênio (metálicas).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana

Coisa Velha

Jornal BLEH!