sábado, 24 de novembro de 2018

Alpha Esportes: Chuva e lama marcam final da Mitsubishi Cup 2018




Rali cross-country de velocidade desafiou pilotos e navegadores em Mogi Guaçu 

Pilotos e navegadores encararam ainda mais desafios na etapa final do rali cross-country de velocidade Mitsubishi Cup. A chuva forte da madrugada deixou os trechos completamente enlameados, trazendo mais adrenalina e emoção para a disputa.


A sétima etapa foi repleta de surpresas e, claro, muita velocidade. Durante o ano, as duplas fizeram provas de time attack, rally-cross, uma especial noturna, maratona e vários trechos de 30 quilômetros com pé embaixo. “Meu contrato com São Pedro foi diferente”, brinca Eduardo Sachs, diretor técnico da competição. “Apesar da dificuldade, a satisfação é total. Todas as etapas foram disputadas, e a final é uma grande festa.”

“O que me traz para a Mitsubishi Cup é a organização, o conceito e a infinidade de amigos que a gente faz aqui. A Mitsubishi investe muito no esporte”, fala o navegador Leonardo Magalhães. “A competitividade é enorme, é o maior evento que temos no Brasil”, explica o participante Weidner Moreira. 

Os campeões

Além da etapa, as duplas estavam em busca do campeonato 2018. Juliano Diener e Gunnar Dums confirmaram a boa campanha – venceram todas as etapas e garantiram o primeiro lugar na categoria L200 Triton ER Master. “Estamos bem afinados, nossa equipe trabalhou muito bem. Muita concentração, muita perseverança, não pode desistir. E isso levou a gente a vencer todas”, conta Diener. “Tivemos vários tipos de prova, noturna, mais longa, mais curta. Melhoramos nosso entrosamento, o carro nos ajudou muito e o resultado está aí: campeões. Muito felizes!”, celebra Gunnar. 

Na categoria ASX RS, Ricardo Vivolo e Weidner Moreira venceram a 7ª etapa. “Realmente essa etapa foi difícil manter o odômetro certinho para ajudar na pilotagem. Eu não gosto muito, mas nas duas etapas que pegamos chuva nós ganhamos, então tenho que concordar que é bom”, diverte-se o navegador. “Tenho uma experiência de mais de 20 anos. Eu prefiro chuva, barro, e acho que levo uma vantagem nisso. Hoje estava muito bom, vimos o segundo colocado de binóculo”, celebra Vivolo. “Quanto mais chuva, mais difícil, eu adoro.” 

Quem levou o campeonato na ASX RS foi a dupla Flavio Pereira de Oliveira e Vinicius Luis Marcon. “Foi um campeonato muito emocionante e só depois da etapa de Cordeirópolis conseguir disparar a pontuação”, explica Flavio. “Foi minha primeira temporada, e com essa surpresa. Foi espetacular, show de bola”. 

Já na ASX RS Master, Emerson Destro e Sergio Avallone venceram a etapa. “Rali de velocidade é um esporte que envolve muita adrenalina. Uma noite inteira de chuva deixa as condições bem adversas, grandes poças, piso muito liso”, explica o piloto Emerson. “Primeiro ano fazendo um rali dessa modalidade tem muito aprendizado, entender como funciona o esporte. Espero que em 2019 venha muita diversão pela frente. É desafiador e gratificante.” 

O piloto campeão na categoria ASX RS Master foi Elcio Bardeli Junior. “Eu estou nos ralis desde os 12 anos, são 16 anos de história. Comecei como navegador do meu pai nos ralis de regularidade, a gente achou que era um pouco tranquilo e resolveu mudar para velocidade. Daí quando tirei a carteira, assumi a posição de piloto e continuo”, conta. Ivo Mayer é o navegador campeão de 2018. “Foi um ano bem disputado, consegui pontuar melhor na última etapa e sou cinco vezes campeão. O espírito da nossa equipe é muito legal, e é o mesmo da Mitsubishi Cup, a gente torce pra todo mundo”, celebra. 

Já na categoria L200 Triton ER, Wellington Costa estreou no primeiro lugar do pódio ao lado do navegador Leonardo Magalhães. “Etapa difícil, com bastante chuva. Batalhamos com o piso, estava muito liso. Mas foi divertido”, conta o navegador. “Depois de quatro anos, veio o pódio. Já tinha ficado em segundo, em terceiro. Essa é uma pista que me dou bem e mesmo no extremo, com chuva, eu gosto. Arriscamos onde dava e veio o tempo. Agora é só comemorar, estou bem feliz”, diz o piloto. 

O campeonato ficou com Marcelo Fiuza e Joseane Koerich. “Esse ano foi realmente muito diferente. Colocou nosso entrosamento à prova, e deu certo. O clima de amizade aqui, de diversão, é muito bom”, conta Marcelo. “Ainda bem que nosso campeonato não foi decidido na última etapa, porque hoje estava muito complicado, com muita lama”, conta Joseane. “Eu estava sem correr há um tempo, mas entrosamos rápido, começamos a ter bons resultados e culminou nisso... Tem coisa melhor?!”, diverte-se. 

Ivan Machado Terni e João Luis Stal foram os campeões da etapa na categoria L200 Triton Sport RS. “Subimos para a categoria RS e terminamos o ano com chave de ouro”, conta Stal. “Foi uma prova difícil e valeu a experiência de ter muita lama. O rali é um verdadeiro anti-estresse”, garante Ivan. “É nosso hobby, viajei a noite inteira para chegar aqui e buscar o primeiro lugar”, comemora o navegador. 

Gunter Hilkemann e Beco Andreotti foram os campeões da temporada. “Foi um ano extremamente positivo. O Gunter é campeão pela primeira vez na Mit Cup, apostou no evento, na forma como é realizado, com segurança, você pode acelerar e o piloto aprimora sua tocada e fica cada vez mais rápido”, conta Beco. “A gente está muito feliz com essa conquista! É minha terceira vez e fico muito honrado por estar num evento tão grande e tão legal”, completa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana

Coisa Velha

Jornal BLEH!