Pesquise no Google

domingo, 6 de janeiro de 2019

Alpha Notícias: McLaren Automotive apresenta o conversível 720S Spider




Modelo é equipado com motor V8 biturbo de 4 litros com 720 cavalos

A McLaren Automotive está expandindo sua família de produtos Super Series com a introdução do 720S Spider, seu segundo conversível. Já disponível para encomenda, o modelo entrega o prazer de dirigir ao ar livre e facilidade de uso no dia a dia antes não vistos na classe de supercarros conversíveis.


“O novo McLaren 720S Spider oferece uma combinação sem paralelo de desempenho extremo, luxo, envolvimento do piloto e facilidade de uso diário - tudo com a emoção extra de dirigir ao ar livre sempre que desejado. Como o mais completo supercarro conversível de todos os tempos, o novo Spider entrega um espectro notável de habilidades a níveis excepcionalmente altos. Como o mais leve de sua classe, com um aumento de apenas 49 kg em comparação com o 720S Coupé, nos leva ainda mais longe do que a concorrência na corrida pela redução de peso”, revela Mike Flewitt, diretor executivo da McLaren Automotive.


Os fundamentos do projeto do novo McLaren Spider são as formas contínuas e orgânicas introduzidas em 2017 com o 720S Coupé. Combinando para maximizar a pressão aerodinâmica, minimizar o arrasto, melhorar o arrefecimento do conjunto de potência e otimizar o desempenho aerodinâmico, estas formas produzem uma aparência geral semelhante a uma escultura futurista, formada pelo ar que flui por cima, por baixo e ao redor do automóvel. Um novo teto rígido retrátil (RHT, Retractable Hard Top) acionado eletricamente é perfeitamente integrado ao estilo, assim como novas colunas laterais.

Núcleo de fibra de carbono para resistência e leveza

Como todos os carros da McLaren, o novo 720S Spider tem uma estrutura de fibra de carbono em seu núcleo, neste caso designada Monocage II-S. A força, a rigidez e o baixo peso da McLaren Monocage são a base para a excelência dinâmica pela qual os carros da McLaren são renomados. O Monocage II-S é um desenvolvimento do Monocage II do Coupé, sem a coluna central longitudinal acima da cabine. A seção mais recuada da estrutura superior também é exclusiva da Spider para acomodar o teto rígido retrátil. Além disso, o trilho da plataforma na parte superior do pára-brisa foi revisado para integrar o mecanismo de travamento central.

A engenhosidade da engenharia da McLaren, sustentada pela força e rigidez inerentes da fibra de carbono, significa que, apesar da remoção do teto fixo, não há necessidade de reforço adicional; até mesmo os pilares A do pára-brisa (excepcionalmente finos, mas incrivelmente fortes), vistos pela primeira vez no 720S Coupé, permanecem. Para fornecer proteção aprimorada para os ocupantes em caso de capotagem, os suportes estruturais fixos de fibra de carbono estão integrados na parte traseira do Monocage II-S, fornecendo adicionalmente os principais pontos de ancoragem para o sistema de teto e os cintos de segurança. Na Super Series de primeira geração, os suportes de aço e a mudança para a fibra de carbono contribuíram para a Estrutura de Proteção contra Capotagem (ROPS, Rollover Protection Structure) do 720S Spider ser 6,8 kg mais leve que no 650S.

No geral, o novo 720S Spider é apenas 49 kg - ou menos de 4% - mais pesado que o 720S Coupé. O aumento do peso é principalmente associado aos sistemas RHT (teto rígido) e ROPS (anticapotagem). Com um peso seco de 1.332 kg, o 720S Spider é confortavelmente o carro mais leve do seu segmento, com 88 kg a menos do que o peso seco de 1.420 kg de seu rival mais próximo. O baixo peso é a base para os benefícios dinâmicos, de desempenho e eficiência que a McLaren é tão hábil em explorar para o maior aproveitamento de seus clientes.

O design do 720S Coupé é reconhecido pela sensação de visão de 360 graus que proporciona, permitindo que a luz entre na cabine e estabelecendo um novo padrão de visibilidade. Essa filosofia de visão incomparável é central para a segunda geração do Super Series de segunda geração e o novo Spider avança o jogo novamente, com apoios suspensos únicos e envidraçados ajudando na visibilidade do motorista, além de compor o visual ao carro. A borda de ataque do apoio possui um suporte aerodinâmico para guiar o fluxo de ar, antes de diminuir drasticamente para expor o vidro escurecido; o design e o uso do vidro proporcionam uma melhoria de 12% na visibilidade sobre os ombros em comparação com o McLaren Super Series Spider anterior.

Para acomodar o teto rígido retrátil, o Monocage II-S possui uma nova estrutura superior de fibra de carbono projetada para ficar o mais próximo possível das entradas de ar fresco. Isso maximiza o espaço para bagagem: há 58 litros disponíveis sob a cobertura da capota com o teto fechado. A cobertura da capota também fica menor que a do 650S Spider - novamente em 25 mm - ampliando a visibilidade em 7,5 m de extensão.

325 km/h com a capota aberta

O motor McLaren V8 biturbo de 4 litros que impulsiona o 720S Spider permanence inalterado em relação ao do Coupé. Montado em posição central para dirigibilidade e pureza de resposta excepcionais, produz 720 HP e 770 Nm e oferece o peso mais leve de sua classe do 720S Spider e a relação peso-potência de 1,85 HP/kg, ou 540 HP por tonelada com o peso seco mais leve. Não é surpresa que o desempenho seja extremo.

A aceleração é nada menos que fenomenal: de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos e de 0 a 200 km/h em apenas 7,9 segundos - apenas 0,1 segundos mais que o Coupé. O sprint de um quarto de milha é despachado em 10,4 segundos - novamente, apenas 0,1 segundo mais lento que o Coupé – e, onde as condições permitirem, o 720S Spider continuará acelerando para uma velocidade máxima correspondente a 341 km/h com o teto fechado. Mesmo com o teto abaixado, a velocidade máxima permanece extraordinária: 325 km/h. As pequenas variações no desempenho resultam de diferentes aerodinâmicas e dos 49 kg adicionais do Spider.

O 720S Spider tem os mesmos “olhos” dramáticos cortados nas defesas frontais e portas “tesoura” imediatamente óbvias no Coupé - apenas dois dos elementos de design da carroceria que desempenham um papel integral na entrega da extraordinária eficiência aerodinâmica e equilíbrio que o 720S possui. Além disso, o divisor dianteiro e o capô contornado, por exemplo, ditam e controlam o fluxo de ar através, acima, ao redor e sob o restante do veículo. Atrás do divisor dianteiro, a aerodinâmica foi revisada para funcionar em harmonia com a nova traseira da carroceria e o spoiler traseiro ativo com a largura total do 720S Spider.

A tecnologia de proteção contra capotagem traz uma vantagem em relação ao tamanho e ao peso. O sistema compacto permitiu que a equipe de engenharia e design da McLaren criasse o reforço de capota incrivelmente fino. Isso melhora a visibilidade sobre o ombro do motorista e contribui para uma sensação de excepcional espaço geral, além de aumentar a pressão aerodinâmica.

Capô rígido retrátil de uma peça é o teto de operação mais rápida em supercarros conversíveis

O teto rígido retrátil (RHT) do 720S Spider é um projeto completamente novo, com um painel de fibra de carbono de uma só peça como padrão. O teto rígido mantém a silhueta distintiva e a pureza aerodinâmica do 720S Coupé e fornece uma estrutura superior de fibra de carbono completa quando fechado. O mecanismo de dobramento do novo RHT da McLaren é acionado eletricamente (e não hidraulicamente) e o sistema proporciona a mais rápida operação de teto conversível da categoria dos supercarros, com o teto retrátil sendo aberto ou fechado em apenas 11 segundos - seis segundos mais rápido que no 650S Spider. A combinação de motores elétricos e a força e o baixo peso da fibra de carbono permitem que a operação seja feita a uma velocidade máxima de 50 km/h - um aumento significativo em relação aos 30 km/h do 650S. Com esses números de desempenho, não é surpresa que a McLaren tenha registrado três patentes mundiais para o sistema de teto.

O novo RHT é duas vezes mais silencioso que o conversível Super Series da primeira geração: quando o teto está em operação, os ocupantes ouvem um som adicional semelhante ao do ruído de fundo em uma biblioteca silenciosa. Esta serenidade é indicativa de um requinte geral excepcional, com níveis de ruído dentro da cabine do Spider com o teto fechado consideravelmente menor do que o experimentado em um 650S Coupé - verdadeiro testemunho da precisão de engenharia perseguida durante o desenvolvimento da Super Series de segunda geração.

Uma janela traseira abaixa automaticamente quando o RHT é aberto, movendo-se para a posição ideal para minimizar o fluxo de ar para dentro da cabine. A janela também tem controle independente, permitindo aos ocupantes abaixá-la quando o teto está fechado para “convidar” o som do motor a entrar na cabine. O fato de os suportes em seu ponto mais alto estarem 25 mm mais baixos do que os de um 650S Spider permite que o ar flua sobre a cabine, reduzindo a turbulência a um mínimo.

Painel de teto retrátil vitrificado, com vidro eletrocrômico transparente ou colorido

Os proprietários que querem experimentar a natureza ao ar livre do 720S Spider, mesmo com o teto fechado, podem especificar um RHT opcional envidraçado com estrutura de fibra de carbono para permitir ainda mais luz na cabine se assim desejar. O vidro é eletrocrômico e, ao toque de um botão, pode alternar rapidamente entre um estado transparente ou colorido. Quando a ignição está desligada, o vidro volta à sua configuração de cor, ajudando a manter a cabine do 720S Spider fresca durante os dias quentes. A tecnologia eletrocrômica tem uma função de memória que lembra a configuração anterior selecionada quando é dada a partida seguinte.

O interior é a mesma cabine acolhedora e luxuosa de supercarros que os pilotos da 720S Coupé desfrutam. Abrir uma porta - agora sem moldura para acomodar o sistema RHT - fornece acesso a um ambiente verdadeiramente sofisticado, com uma percepção extraordinária do espaço e dos melhores materiais em evidência. Um novo sistema de dobradiça de porta e posição de amortecedor a gás foi possível sem problemas, porque desde o início o programa 720S incluía carrocerias Coupé e Spider.

Uma tela central de oito polegadas e alta resolução continua a ser o ponto central das funções do veículo. A interface exibe áudio, mídia, navegação, controle de temperatura e outros recursos com todas as principais aplicações mostradas em um carrossel vertical, além de estar disponível através de teclas de acesso rápido abaixo da tela.

O sistema de climatização e ar condicionado de dupla zona foi recalibrado para o 720S Spider e é capaz de detectar se a posição do RHT muda de levantada para abaixada ou vice-versa. A temperatura e o fluxo de ar são ajustados automaticamente, aquecendo ou resfriando os ocupantes de acordo com as configurações do ambiente já selecionadas, aumentando o fluxo de ar para a cabine e movimentando mais ar para a área dos pés ou áreas superiores da cabine.

Spoiler traseiro ativo de largura total se move de acordo com a posição do teto retrátil

O spoiler traseiro ativo muda de posição automaticamente para diminuir o arrasto ou aumentar a pressão aerodinâmica e funciona também como freio aerodinâmico para melhorar o equilíbrio do veículo em frenagens fortes, podendo levantar a velocidades mais baixas e ficar em posição mais alta, otimizando a pressão aerodinâmica e o equilíbrio para garantir que o desempenho e o engajamento do motorista estão de acordo com o 720S Coupé. Enquanto o spoiler traseiro é idêntico em ambos (Coupé e Spider), o mapeamento de distribuição é feito sob medida para cada carroceria, com ajustes aerodinâmicos diferentes dependendo se o teto rígido retrátil está levantado ou abaixado e a eletrônica do veículo ficando automaticamente ajustada de acordo com a posição do teto.

A suspensão hidráulica Proactive Chassis Control II da McLaren - já reconhecida pela desafiadora convenção de fornecer a combinação geralmente incompatível de controle preciso da carroceria e uma viagem confortável - é complementada por um sistema de direção eletro-hidráulico amplamente reconhecido por fornecer precisão e sensações excepcionalmente puros. Assim como no Coupé, o piloto do Spider pode escolher entre três modos de condução (Comfort, Sport ou Track), cada um focado em uma experiência de direção diferente, de acordo com as preferências e condições pessoais. Esses atributos comprovados se combinam para garantir que o 720S Spider possua o mesmo nível de habilidades dinâmicas e amplitude de capacidade que o Coupé habilmente demonstra.

Novas rodas de liga leve forjadas de 10 raios foram desenvolvidas para o novo Spider. Os pneus são Pirelli P ZERO ™, projetados em conjunto com a parceira da McLaren Technology, a Pirelli, para proporcionar o melhor equilíbrio entre desempenho, aderência, dirigibilidade e conforto em uma ampla gama de condições de estrada. Um pneu Pirelli P ZERO ™ CORSA mais focado para pista pode ser solicitado sem custo adicional, enquanto os pneus de inverno Pirelli SOTTOZERO™ e os pneus Pirelli TROFEO R de ultra-alto desempenho estão disponíveis nos revendedores McLaren.

Três especificações, duas novas cores externas, retorno de uma cor patrimonial

O novo 720S Spider está disponível nas mesmas três especificações do Coupé, com acabamentos Performance e Luxury além do acabamento padrão. Duas novas cores exteriores - Belize Blue e Aztec Gold - foram introduzidas para o novo Spider em uma paleta de 23 opções. Uma delas, Supernova Silver, é uma cor patrimonial da McLaren, tendo sido disponibilizada pela primeira vez no McLaren 12C.

O McLaren 720S estabeleceu uma reputação do Coupé por seu design inovador, tecnologias de ponta e ritmo feroz, complementado por uma amplitude de habilidade e sofisticação que proporciona uma utilização cotidiana que disfarça seu desempenho extremo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana

Coisa Velha

Jornal BLEH!