Campanha AACD Teleton 2021

Cursos Mecânica Online

domingo, 28 de novembro de 2021

Alpha Notícias: Há 45 anos ninguém acreditava que a Fiat seria líder do mercado brasileiro




Confira o podcast "Muito Além de Rodas e Motores" em https://soundcloud.com/user-645576547/

As empresas fabricantes de veículos no Brasil que formam o grupo Stellantis classificaram, de janeiro a outubro, seis modelos entre os dez mais vendidos dos segmentos de automóveis e de comerciais leves do País graças aos modelos da Fiat.


O domínio da marca italiana foi grande, sendo a líder em vendas no mês de outubro e no acumulado do ano. Na categoria automóveis liderou o mercado com o Fiat Argo e ainda classificou o Jeep Renegade, na terceira posição; o Fiat Mobi, em quarto, e o Jeep Compass, em quinto lugar.

No segmento de veículos comerciais leves, ocupou as duas primeiras posições com as pick-ups Strada e Toro.

No dia 9 de julho de 1976, quando Giovanni Agnelli, chefe-mor da Fiat Automóveis veio ao Brasil para anunciar a fábrica de Betim ninguém poderia imaginar que a empresa fosse capaz de atingir resultados como esses. O pequeno Fiat 147 representava pouco para a Volkswagen, que liderava o mercado, seguida pela General Motors e pela Ford.

Mas, devagar com criatividade, ousadia e uma equipe competente e solidária foi criando alternativas para o mercado.

Usando a mesma plataforma do modelo inicial, desenvolveu opções para o mercado, como a pick-up 147, que lançou como o menor caminhão do mundo e, alongando um Fiat 147, ampliou a linha de modelos com o sedã Oggi.

Em sua história brasileira, continuou dedicada ao estudo do mercado e às oportunidades que ele poderia oferecer. Com profissionais criativos, num momento em que a gasolina estava com preço elevado, mas nem tanto quanto atualmente, usou a ponte Rio-Niterói, logo após a sua inauguração, como referência para realçar a economia do Fiat 147, cumprindo o percurso de 14 quilômetros com menos de um litro de gasolina.


Alguns meses depois inventou outro programa para mostrar a potência do motor e a resistência do automóvel, escalando os 365 degraus da escadaria do morro para chegar à igreja de Nossa Senhora da Penha, no Rio de Janeiro.

Em maio de 1990, o presidente Fernando Collor de Mello comandou a abertura das importações de automóveis e pôs fim à proibição à restrição de mercado, com a justificativa de que os carros brasileiros eram verdadeiras carroças.

Além da abertura das importações, decidiu reduzir o IPI (Imposto de Produtos Industrializados), para automóveis com motor até 1.000 cm3 de capacidade cúbica o que incentivou a venda de veículos.

Com essa mudança instituída pelo governo brasileiro, a Fiat agiu rapidamente e usou um motor que exportava para a Itália para criar o Fiat Mille. Sorte da Fiat, que as outras empresas concorrentes não possuíam motor adequado para permitir um downsing, com exceção da Ford, cujo presidente não concordou com a redução da capacidade cúbica de seu propulsor.

Com a novidade do motor 1.0 a Fiat, que ocupava o quarto lugar, revolucionou o mercado brasileiro.

A Ford poderia ter usado o motor CHT de seus automóveis da linha Escort, mas seu presidente não concordou por considerar que o motor 1.0 comprometia o desempenho do carro e o tornava inseguro em ultrapassagens.

O resultado dessa batalha foi a Fiat crescer no mercado brasileiro e as outras encolherem, principalmente a Ford, que era a vice-líder do mercado e passou para o quarto lugar.

O motor 1.0 foi decisivo para a Fiat. Com as vendas crescentes do Fiat Mille, ela alcançou a vice-líder e, com a modernização gradativa de sua linha de produtos assumiu a liderança do mercado. E deixou uma mensagem para as empresas concorrentes. Se quiserem ampliar as suas vendas, ousem e sejam criativas.

E por falar em criatividade, o primeiro teste do Fiat 147 publicado no Brasil foi da revista Auto Esporte por ousadia do jornalista Expedito Marazzi.

Convidado para a apresentação do modelo à imprensa, em um test-drive entre Ouro Preto e a fábrica em Betim, ele, em vez de seguir o roteiro programado para o evento, preferiu vir para São Paulo, "furtando" o carrinho por alguns dias porque soube que a revista Quatro Rodas havia recebido um Fiat 147 para teste completo e que, com um limitado test-drive na distância de pouco mais de 100 quilômetros não teria condições de realizar um bom trabalho.

Ao chegar a São Paulo, levou o automóvel ao Autódromo de Interlagos e conseguiu realizar o teste completo. Uma semana depois, Expedito devolveu o carro à Fiat que, em vez de se aborrecer, gostou da ousadia de Expedito que, além de jornalista era também engenheiro, proprietário de um curso de pilotagem e corria de automóvel e de motocicleta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens da semana